A Associação Mural Sonoro (AMS) é uma organização cultural sem fins lucrativos fundada em Fevereiro de 2014 por Soraia Simões e João Fontes da Costa.

De 2014 a 2017, primeiro mandato eleito consensualmente, integraram a direcção da AMS Soraia Simões (fundadora e presidente), João Fontes da Costa (fundador e vice-presidente), Paulo de Carvalho (vice-presidente).

De 2018 a 2021, segundo mandato eleito consesualmente, integram a direcção da AMS Soraia Simões (fundadora e presidente), Amélia Muge (sócia fundadora, vice-presidente), Marta Domingos (vice-presidente).

Fazem parte da missão e dos objectivos da AMS: organizar, coordenar e promover projectos de natureza cultural e científica nas áreas musicais e nas áreas sociais que tenham a música, ou as práticas a ela relacionadas, como vector principal. Missão que tem cumprido com um resultado bastante satisfatório.

Desde a sua criação a AMS tem organizado conferências e colóquios inéditos em parceria com o Museu Nacional da Música, a FCSH NOVA, o Conservatório de Música de Coimbra, entre outros. A AMS tem promovido workshops, exibições e publicações de obras.
Formam hoje a associação um conjunto de músicos, autores e investigadores destas áreas.
Ao longo dos anos foi congregando esforços e parcerias com entidades como a NOVA FCSH, o Museu Nacional da Música, a RTP, o Conservatório da Música de Coimbra, o LARGO Residências, a Associação Cultural Moinho da Juventude, a FCSH NOVA, entre outros.

Acolhemos projectos independentes, progressistas e inovadores na abordagem. Apesar das crescentes dificuldades no plano cultural nunca baixámos os braços e porque assumimos a missão desde o primeiro momento e defendemos a transparência, apresentamos o nosso calendário de actividades concluídas no ano 2018/19 neste portal.

A Direcção:

Soraia Simões

Amélia Muge

Marta Domingos


10 de Março, 2019



Calendário e relatórios de actividades, donativos de associados/as e despesas Associação Mural Sonoro (2018 - 2019)

Calendário/actividades

2018 - 2019


Lançamentos e apresentações da obra (álbum discográfico e ebook) Archipélagos de

Amélia Muge e Michales Loukovikas


2018 


Website Mural Sonoro de Soraia Simões (109 eur, anuidade)


Abril de 2019 


Capa Fixar o (in) visível os Primeiros passos do RAP em Portugal de Soraia Simões/Editora Caleidoscópio a publicar a 26 de Setembro de 2019 (por João Pratas)


Julho de 2018 até ao presente


Podcast Mural Sonoro «um podcast sobre Mulheres na Música, papéis, reportórios de luta e resistências» (por Soraia Simões)


Design de Som António José Martins (20 eur episódio)

Ilustração de João Pratas

Pagamento mensal obras musicais à Sociedade Portuguesa de Autores (15 eur)

Pagamento mensal para alojamento on-line no soundclould agregado ao Itunes (11 eur)



Maio de 2019 a Junho de 2019


Assessoria de imprensa Peregrinação Crioula/Editora Aquarela Brasileira de Paulo Branco Lima (por Soraia Simões)


Janeiro de 2018 a Março de 2019


Apoio à Produção documentário A Guitarra de Coimbra (autoria/realização Soraia Simões) em Coimbra (por João Fontes da Costa)


Apoio à Produção documentário A Guitarra de Coimbra (autoria/realização Soraia Simões) em Lisboa (por José Ricardo Pinto)



Janeiro de 2019


Criação de FB Associação Mural Sonoro e conteúdos (Miguel Freire)



Donativos associados/as (20 eur anuais) em 2018/9

140 Euros









Relatórios das actividades



ARCHiPELAGOS, passagens, rastos de uma viagem


“ Que armas disporemos senão destas que estão

dentro do corpo, o pensamento. Uma ideia de polis

resgatada de um grande abuso. Uma noção de casa

e de hospitalidade e de barulho. Atrás do qual virá

o poema. Atrás do qual virá a colecção dos feitos

e defeitos humanos. Um início.” 

( Hélia Correia in: A Terceira Miséria)


1) Apresentações


Estando claro que a comunicação desta obra teria forçosamente de passar por outros tipos de apresentação, por outros ou mais parceiros na análise crítica ao trabalho e na comunicação com o público, o nosso propósito foi criar um modelo de apresentação seguindo a do que é usado com os escritores - uma conversa informal a propósito da obra, com projecção de videos que permitissem o complemento audiovisual como amostra dos conteúdos existentes e, caso se justificasse, alguma animação musical no final. 

Por outro lado, desejávamos envolver pessoas representando o maior número possível de disciplinas no âmbito académico e artístico e, também, o maior número de instituições de diferentes naturezas.

Dentro destes princípios realizámos diversos encontros , todos seguindo este modelo, inclusive na FNAC Chiado e FNAC Norte Shoping.

Foram envolvidas até agora (as apresentações  decorreram em Fevereiro, Maio e Outubro de 2018, em Março deste ano e estamos a preparar outras para Outubro) pessoas ligadas a diversas áreas, a saber: jornalistas, músicos, escritores, críticos literários, etnomusicólogos, representantes de embaixadas, designers, historiadores, e sociólogos.

Foram envolvidas, em termos de locais/ instituições: Fundações, Museus, Associações Culturais, Livrarias, Bibliotecas e ainda a integração em eventos como Festivais Literários e Congressos Universitários. 

Não temos dúvidas, face ao que foi vivido nestas iniciativas, que a música (tal como a literatura ou qualquer outra área disciplinar de onde uma obra seja proveniente) pode ajudar ao desenvolvimento de uma sensibilidade e capacidade de questionamento em comum e conhecimento do mundo e das artes. Estes encontros, baseados neste tipo de obra (com características de articulação muito acentuada com vários domínios) constituem uma forma privilegiada de comunicação e incentivo poderoso na criação de novos públicos e venda das obras em causa.


2. Locais

Lista dos locais das apresentações ( Sempre com Amélia Muge e Michales Loukovikas) :


a) Fevereiro de 2018:

- FNAC CHIADO 

- FNAC Norte Shoping

- Biblioteca António Ramos Rosa (Faro)

- Biblioteca Operária Oeirense (Oeiras)

- Museu do Fado (Lisboa)


b) Maio de 2018


- Auditório da Livraria IANOS (Atenas) com saída de artigos em revistas, jornais e entrevistas nos programas das Rádios na Grécia:

Jornais: TA NEA, TO VIMA, I AVGI, Jornais/Net: FREE SUNDAY, VINYLMINE, ART & PRESS, TETRAGWNO, JAZZ-BLUES-ROCK, IANOS, GENERAL SECRETARIAT FOR INFORMATION & COMMUNICATION [oficial]; Rádios: ERT2, STO KOKKINO (Atenas), Rádio 9.58fm e Rádio 102fm ( ERT3 ) [Tessalónica]; Revistas: METRONOMOS.


c) Novembro de 2018


- Fundação Calouste Gulbenkian (Paris)

- 3º Festival Literário (Chaves)

- Encontros Translocal ...com o Mediterrâneo  (Funchal)com artigo saído na Revista Translocal.

- Livraria Palavra de Viajante  ( Lisboa)


d) Março de 2019 


- Associação Luso-Portuguesa PARAFONIA

- Congresso: Revisitar os Clássicos (Universidade de Coimbra)

- Centro Cultural (Setúbal)

- Livraria Anagrama (Lisboa)


Paralelamente aos encontros foram sendo produzidos os seguintes textos críticos de âmbito académico / artístico:

Maria do Rosário Pestana (etnomusicóloga): Archipelagos: um projecto musical de relacionalidade e convivialidade (publicado no próprio CD)

Giorgos Andreou (compositor/músico/poeta/escritor): ARCHiPELAGOS, Passagens ( Revista Metronomos)

Ana Salgueiro (estudos culturais e literários)/ Mariana Camacho (músico): Outro ARCHiPELAGOS/ Passagens: Translocalidades Culturais e Interartes ( Revista Translocal)

Mª Graciete Besse ( poeta/ crítica literária): Uma prática da Relação : Archipelagos–Passagens, de Amélia Muge e Michales Loukovikas. Universidade de Cáceres)


3. Conclusão


Embora sobrecarregando os criadores com aspectos de produção, organização e angariação de meios que são imensos e que poderão condenar, em muitas situações, a existência de projectos menos ajustados às procuras no mercado, pensamos que, pelos resultados obtidos, continua a fazer sentido a procura de alternativas. Por outro lado, experiências inovadoras no âmbito da promoção e apresentação dos projectos são fundamentais. Não só para a promoção das obras, individualmente, como também para a criação de referências que permitam ampliar, incentivar e melhorar circuitos paralelos e redes de fortalecimento de interesses comuns, no âmbito da ciência e da cultura.




Conteúdos website Mural Sonoro em acesso livre

https://www.muralsonoro.com/#about-1


Conteúdos Podcast Mural Sonoro em acesso livre

Itunes: http://bit.ly/iTunesMuralSonoro

Soundcloud: http://bit.ly/SoundCloudMuralSonoro


Making of A Guitarra de Coimbra

https://www.muralsonoro.com/mural-sonoro-blog/2018/6/24/soraia-simes-dirige-documentrio-a-guitarra-de-coimbra-rtp2 


Filme/ documentário A Guitarra de Coimbra (RTP2, 2019), produzido por Velvet Station. Apoios à produção: Universidade de Coimbra, Associação Mural Sonoro, RTP. [Sinopse: «Um olhar sobre A Guitarra de Coimbra realizado por Soraia Simões. Filme de Soraia Simões sobre a guitarra de Coimbra, que nos narra os caminhos deste instrumento musical desde o berço até à contemporaneidade. Uma reflexão pessoal sem restrições, onde a representação das mulheres, os mais importantes construtores, a boémia, a história coimbrã e a diversidade dos contextos culturais em que se insere a guitarra de Coimbra, popularizada por Artur e Carlos Paredes em Lisboa e no resto do mundo, têm palco. O desafio do documentário é contar a história deste património imaterial da Coimbra popular, com a ajuda de intérpretes mulheres e intérpretes homens, documentos inéditos, estudiosos, espaços de referência e ... a poesia que lhe subjaz»], http://bit.ly/2BmtEZZ.





Comment