[1] por Soraia Simões

Paulo Branco Lima recria em “Peregrinação Crioula” o texto seminal de Fernão Mendes Pinto ensaiando uma reflexão crítica sobre o período colonial português.

Olho-me num dos espelhos da casa de banho dos praças: os meus lábios são grossos, o meu cabelo é encaracolado (ou roim!), a minha pele algo morena.

Terão amadurecido, durante esta viagem ao mosaico cabo-verdiano, substâncias escondidas que me correm nas veias?

Possuirei costela africana?

Serei também, de algum modo, crioulo?

De que mescla são as forças que interagem no meu espírito?

Com que meios poderei identificar este género de orfandade?

Como deslubrificar o conforto lusocêntrico do meu olhar?

Quem sou eu?

Qual a minha Voz? (página 157)

Li recentemente o romance Peregrinação Crioula de Paulo Branco Lima editado pela Aquarela Brasileira (Maio, 2019). Uma pequena editora independente.

Aconselho vivamente a leitura.

Trata-se de uma insólita e nada convencional reinterpretação da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto.

A história desenrola-se a bordo de um navio-escola português de traços contemporâneos nos anos noventa do século XX.

À primeira vista, desde logo pela capa, parece que estamos perante mais uma obra de glorificação do «passado quinhentista nacional», mas não. O autor, centrando-se numa rota marítima por latitudes africanas, desenvolve descrições pormenorizadas de marinharia e do funcionamento interno do veleiro que, à medida que os episódios avançam, vão ganhando contornos inesperadamente críticos do período colonial português. Esses episódios estão imbuídos de um contundente sentido de ironia, sarcástico até.

Num primeiro momento, o itinerário proposto, uma circum-navegação ao continente africano, é interrompido de um modo brusco pouco antes da chegada a Cabo Verde, alegadamente por motivos “logístico-burocráticos”.

A partir daqui, quando a tripulação inicia o seu périplo, reduzido à força, pelas ilhas crioulas, começa a instalar-se um «confronto de identidades» ao longo do qual se impõe, de forma progressiva, a cosmovisão africana.

Não é estranha a busca das raízes africanas implícitas ao narrador. Talvez por isso, utilize o dispositivo ficcional da escrita de um diário de bordo para reflectir nos fundamentos daquilo que pode ser encarado como a sua «autodescoberta».

Esta imagem faz germinar dentro de mim uma ideia desagradável, como lasca entalada na garganta. Causa-me uma impressão incómoda, amarga, semelhante à da Cidade da Praia. Nem sempre me identifico com esta gente, tão impregnada na obsolescência da Expansão. Por vezes acho-me desenquadrado, incompleto, desenraizado… Sinto um desencanto ácido: mais que a tão prestigiada embaixada itinerante, o navio-escola vai-se tornando no símbolo da minha alienação (página 127).

Fascinado inicialmente pelo universo da literatura de viagens, que o leva a querer ser marinheiro, o narrador acaba por relembrar episódios da sua adolescência durante as aulas de História, quando lhe era pedido para ler em voz alta a obra Peregrinação. Como se aquelas palavras já fizessem, de algum modo, parte da sua vida, de uma outra sua vida/vivência.

Estamos de novo em alto mar.

Sinto-me massarongo, modorrento. Apenas hoje me dá para reler tudo o que escrevi no Craesbeeck. Há um pormenor a martelar-me a consciência: apesar de toda a liberdade criativa em Calempluy, também eu me deixei corromper pelo poder do ouro! Residirá nisto a causa da minha intranquilidade, deste mal-estar que me persegue a espaços? (página 146)

Alcançando aquilo que era o seu anseio, o ingresso no navio-escola São Gabriel, o júbilo primeiro dá lugar a um duro choque com a realidade que encontra a bordo: um deplorável sentido de camaradagem, uma insaciável sede capitalista (o mercantilismo de negras e de negros), os intoleráveis resquícios do colonialismo português.

[1] Soraia Simões, in Esquerda.Net, 5 de Maio, 2019. 

Comment