Uma nota pessoal

Celeste Rodrigues podcast Mural Sonoro.jpg

Celeste Rodrigues ensinou a muita gente predicados em desuso, que os/as que pertencem a um universo intenso e elevado quase sempre preservam como o ser tolerante, sem pretensões e vedetismo, apesar de todas as razões que pudessem imaginar existirem para o ter. É parte indissociável da História do Fado, da gravação sonora em Portugal, além da mulher com mais tempo de actividade na indústria da música.

Só alguém com uma luz muito especial, para quem entrevistas e testemunhos não são novidade, poderia afirmar, depois de lhe dizer que estava um pouco nervosa, por ir gravar a entrevista para este podcast temático, «nervosa estou eu» ou «esse seu trabalho é bonito, deve ser difícil». Reouvir pedaços da conversa que registámos na casa do neto Diogo, e que não figuram no podcast, é um bálsamo de percepção subliminal. Da sua inteligência, emocionalidade, bom gosto. Bom gosto esse que foi da escolha dos seus repertórios às sociabilidades, com gerações distintas e com músicos de diversos universos da música popular.

Mesmo que afirmasse «não sei para ensinar, nem sei se o que canto é Fado», como o fez, e até várias vezes na conversa que gravámos, acredito que nem ela saberia que todos/as aquelas/as que tiveram a sorte de se cruzar ou de privar com ela aprenderam decerto algo tão descuidado mas tão indispensável, a olhar a vida, a sua e a dos/as que a rodeavam, com a lente do absurdo da existência da condição humana (quase parafraseando Albert Camus).

Foi um privilégio tê-la conhecido Celeste (sem o Dona, que fez questão de dizer: detestava).

Quando a manhã me desperta
Da janela entreaberta
Deixa-me ver a cidade
E p'ra não sofrer à toa
Não dou um nome a Lisboa
E só lhe chamo saudade

Há tanta gente a passar
Que às vezes chego a escutar
O pregão duma varina
Sei que a vida continua
Mas vejo passar na rua
Os meus tempos de menina

Olho outra vez a cidade
Mas quando o vento me invade
E a solidão me agarra
Fecho de vez a janela
Peço à saudade cautela
E abraço uma guitarra

Fotografia do neto Diogo Varela Silva no dia da última entrevista cedida por Celeste (para este podcast)

Tiago Torres da Silva / Pedro Pinhal, criadora: Celeste Rodrigues

Comment