RAPortugal 1986 - 1999

Projecto de investigação e criação promovido pela Associação Mural Sonoro, financiado na categoria de apoios pontuais pela Direcção Geral das Artes

 

Coordenação Geral

 

Soraia Simões

Nasceu em Coimbra no ano 1976. Radicou-se em Lisboa no ano 2008. É presidente de Direcção da Associação Mural Sonoro, projecto de arquivo e documentação musical, e investigadora do Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Mestranda em História Contemporânea, a desenvolver a dissertação «Que há-de ser de nós?: o percurso musical de Ivan Lins entre o Brasil e Portugal de 1983 a 1992». É pós-graduada em Estudos de Música Popular, pelo Departamento de Ciências Musicais da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, e autora do livro Passado-Presente. Uma Viagem ao Universo de Paulo de Carvalho (18 de Outubro 2012, public. Chiado Ed.). Recebeu o Prémio Megafone/Sociedade Portuguesa de Autores em 2014.

 

Tem no prelo o livro que assinala o seu trabalho de investigação que incide no início da prática do «rap» em Portugal (RAPublicar – a 'micro – história' que fez história numa Lisboa adiada: 1986 – 1996), é a consultora musical do projecto que faz parte dos conteúdos especiais da RTP Extrema-Esquerda: Porque não Fizemos a Revolução? estreado no 25 de Novembro de 2015 e Coordenadora geral e de investigação no projecto RAPortugal: 1986 - 1999 (projecto financiado pela Direcção Geral das Artes).

 

 

Realização do Trabalho

História Oral - Memórias: Recolhas de Entrevistas, Enquadramento historiográfico e etnomusicológico

25protagonistas (rappers, dirigentes sindicais e de organizações, técnicos, produtores que se inseriram no recorte temporal apontado para o projecto)

Livro

Título do trabalho escrito final: RAPublicar: a micro - história que fez história numa Lisboa adiada: 1986 - 1996

Organização e coordenação de Ciclo de Conferências e Debates: Início 7 de Setembro, termino: 22 de Janeiro de 2016. Programa completo aqui: http://www.muralsonoro.com/rap-portugal-198/

 

Transcrição de Entrevistas

Mariana Castro

Edição: Soraia Simões

Fotografias: Alexandre Nobre (FIAR), José Fernandes e Soraia Simões

 

 

Mariana Castro

 

É investigadora integrada do Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

 

Tem como principais áreas de investigação o contrabando durante o século XX e a economia de Guerra e Conflitos Sociais. Faz parte do grupo de investigação: Economia, Sociedade, Património e Inovação.

Mestre e Doutoranda em História Contemporânea.

 

Participa no Projecto RAPortugal 1986-1999, candidato em 2015 aos apoios da Direcção Geral das Artes (DGArtes) pela Associação Mural Sonoro (2016) transcrevendo o material resultante de trabalho de campo.

 

Projectos de investigação concluídos

Projecto de Investigação – Territórios e Sociedades no Mundo Contemporâneo I (unidade curricular de investigação oferecida pelo Instituto de História Contemporânea) - 2012/2013

 

Artigos em revistas com referee

“A política de Hugh Dalton e o Bloqueio Económico (1940-1942)”, Revista História da Faculdade de Letras do Porto, Série IV, Vol. 05, 2015.

Outras publicações

“Contrabando de Guerra em Elvas durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918)”, Actas do II Congresso I República e Republicanismo, 2016 (no prelo).

 

“A República em Elvas durante a Primeira Guerra Mundial: Um Sucesso ou um Falhanço? – Alguns traços gerais sobre a extensão do poder local”, Actas do III Congresso I República e Republicanismo, 2015 (no prelo).

 

“Das “reuniões” às “bengaladas”: Geografia dos Confrontos entre grevistas e forças policiais na transição da Monarquia para a República”, Actas do I Congresso de História do Movimento Operário e dos Movimentos Sociais em Portugal, 2013 (no prelo).

 

Encontros científicos (comunicações por proposta)

“A República em Elvas durante a Primeira Guerra Mundial: Um Sucesso ou um Falhanço? – Alguns traços gerais sobre a extensão do poder local”, comunicação apresentada no III Congresso I República e Republicanismo, na Biblioteca Nacional, no dia 22 de Outubro de 2015.

 

“O papel da Guarda Fiscal nos portos do Douro e Leixões durante a I Guerra Mundial”, comunicação apresentada com Margarida Schiappa na Conferência Internacional “Os Portos e a Guerra”, no Porto, dia 12 de Dezembro de 2014.

 

“Contrabando de Guerra em Elvas durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918)”, comunicação apresentada no II Congresso I República e Republicanismo”, na Biblioteca Nacional, no dia 02 de Outubro de 2014.

 

“Relations between Portugal and Germany in Southern Angola (1914-1918) ”, comunicação apresentada no Workshop «Media & Portuguese Empire», no Instituto de História Contemporânea (FCSH-UNL), no dia 11 de Junho de 2014.

 

“Das “reuniões” às “bengaladas”: Geografia dos Confrontos entre grevistas e forças policiais na transição da Monarquia para a República”, comunicação apresentada no I Congresso de História do Movimento Operário e dos Movimentos Sociais em Portugal, no Instituto de História Contemporânea, no dia 13 de Março de 2013.

 

Organização de eventos científicos

Congresso Internacional: As Mulheres e as Guerras no Mundo Contemporâneo/Women in Modern Wars (28 e 29 de Setembro de 2016), Comissão Organizadora: Ana Paula Pires (IHC-FCSH/UNL); Diogo Ferreira (IHC-FCSH/UNL); Fátima Mariano (IHC-FCSH/UNL); Helena da Silva (IHC-FCSH/UNL); Margarida Portela (IHC-FCSH/UNL) e Mariana Castro (IHC-FCSH/UNL). 

 

Alexandre Nobre

 

Nasceu no Lubango no ano de 1964.

Licenciou-se em 1996 em Design de Comunicação pela Faculdade Belas Artes da Universidade de Lisboa. Com Pós-Graduação em Direcção de Fotografia pelo Royal College of Arts London. Desde de1989 até ao presente que é Fotógrafo e Autor Independente (áreas: teatro, audiovisual, música). 

 

É o autor do Documentário ‘’Dipanda’75’’. Filme que abrange o período que antecede a data da independência de Angola. Foca a música popular de carácter intervencionista. Num período que vai da década de quarenta até à independência de Angola.

 

Produção

Supervisão: Soraia Simões

Apoio à Produção

Produção CD livro e concertos decorrentes da apresentação do CD

Gustavo Daniel Dias e João Megre

 

Gustavo Daniel Dias (Lince: nome artístico)

Nasceu em 1975 em Lisboa. É licenciado em Higiene e Segurança do Trabalho (2010, ISEC), possui também o Bacharelatoem Engenharia Civil pelo ISEL (1996).

Desde o ano 2000 que é Sócio - Gerente do Estúdio BIG BIT. Tem trabalhado como intérprete, autor, compositor, produtor executivo e letrista em vários domínios da Música Popular em Portugal com particular incidência nos campos do rap e/ou hip-hop.

Integrou, com o grupo New Tribe, a primeira colectânea de hip-hop editada em Portugal sob a chancela da Sony Music (RAPública, 1994).

Colabora no projecto de investigação e criação promovido pela Associação Mural Sonoro, RAPortugal 1986 - 1999 (pontuais DGArtes, 2015).

 

Do seu percurso profissional destacam-se ainda, por ordem cronológica, os seguintes trabalhos nos campos da autoria, interpretação, composição e direcção ou realização de videoclips:

 

Como autor

- 1994, RAPública

- 1997 deLiquid, Nylon

- 2004 Poesia Urbana (ColectâneaHip - Hop)

- 2005 ''Cinema'' do rapper Sir Scratch

- 2006 Remistura do tema ''Slides'', da reedição do álbum "Praticamente", do rapper Sam The Kid

- 2007 ''Serviço Público'' do rapper Valete

como compositor

- 2014 ''Dá-me Um Segundo'' do grupo D.A.M.A

 

 

Como produtor executivo

2014 ''Ordem Depois do Caos'', Bob The Rage Sense

 

Como intérprete

- 1993, Portukkkal é um Erro, do rapper General D, etiqueta: EMI Valentim de Carvalho

- 1994, RAPública, editado pela Sony Music

- 1995, Pé Na Tchon Karapinha na Céu, EMI Valentim de Carvalho

- 1996, ''Flowers and the Colour of Paint'' de Ithaka, editado pela MoviePlay

- 2004, Poesia Urbana, Horizontal Records

- 2008, Maturidade, do rapper NBC, co-edição: Footmovin' - Universal

- 2009, Ego Trip, do rapper XEG, edição Footmovin'

 

Como letrista

- 1998Melodia da Noite, dos Black Out, editado pela Universal

- 2003Contrastes, de Sofia Barbosa, BMG

- 2005Break up to Make Up, de Beto Medina, Som Livre

 

Produção videográfica

2014 até ao presente

2014 - Videoclip D.A.M.A ''Às Vezes''

2015 - Videoclip D.A.M.A ''Secrets in Silence''

2015 - Videoclip Mia Rose ''Take my Hand''

2016 - Videoclip D.A.MA ''Agora é Tarde''

2016 - Videoclip Mia Rose ''Tudo para Dar''

2016 - Videoclip Carlos Mendes ''Festa da Vida''

 

Lyric Videos

2015 ''Não Dá'' de D.A.M.A

2016 ''Tempo Para Quê'' de D.A.M.A

2016 ''Manual de uma Conquista'', Klepht

 

João Megre

 

João Megre nasceu em Lisboa no ano 1964. É licenciado em Music Business pela Belmont College, Nashville, Tennessee, EUA (1985 a 1989).

No seu percurso destacam-se ainda por ordem decrescente:

 2001 a 2016 (presente) - Estúdios Big Bit: Sócio gerente, produtor

 

1995 a 2000 - Sony Music Portugal: Director de A&R (Artistas e Reportório)

 

1994 a 1995 - Estúdios Som de Lisboa: Técnico de som e produtor

 

1992 a 1995 - Promotor e produtor free-lancer

 

1990 a 1992 - EMI-Valentim de Carvalho: Director de A&R (Artistas e Reportório)

 

Apoio à Produção

Produção e Realização de Workshops

Flávio Almada, Jakilson Pereira

Parceiros: Associação Moinho da Juventude, Câmara Municipal de Almada, Escola Intercultural das Profissões e do Desporto

 

Jakilson Pereira

Licenciado em Educação Social pela Escola Superior de Santarém/Instituto Politécnico de Santarém e mestrando em Educação e Sociedade no ISCTE, possui formação complementar diversa, nas áreas da cidadania e intervenção juvenil. É técnico superior de educação social na ACMJ, onde desempenhou diversas funções desde 2011.

Desde 2011, é responsável pela Biblioteca António Ramos Rosa e administrador do Balcão do Cidadão de Cabo Verde na Associação Cultural Moinho da Juventude, emite: registo criminal, certidão de nascimento, certidão de casamento, certidão de óbito, certidão de perfilhação, sendo este um dos serviços que integra o núcleo de apoio à documentação e apoio jurídico da associação. O desempenho destas funções tem-lhe dado, entre outros aspectos, grande prática e proximidade com o Serviço de Estrangeiro E Fronteiras e Conservatória do Registo Civil para pedido de nacionalidade Portuguesa.

Formação sobre Constituição, Direitos Humanos e Cidadania, na Fundação Direito e Justiça – Cabo verde – Santiago – Cidade da Praia - 8 Novembro a 13 Novembro de 2004.

Representante da Associação Cultural Moinho da Juventude na Acção de formação “ Projekt Europa für alle_ realizada na Jugendakademie / Walberberg, Germany - 8 a 12 de Outubro de 2008.

Participação no 1º Fórum de Jovens Descendentes de Imigrantes e da Diáspora Africana, realizada pela CNJ - 21 e 22 de Março 2009 www.cnj.pt/forum.pdf.

Bolseiro de investigação da Faculdade de Ciência e tecnologia da Universidade de Coimbra, no âmbito da actividade de investigação “Relação dos factores maternos durante a gravidez e do padrão de crescimento durante o 1º ano de vida com o estado nutricional de adolescentes de origem portuguesa e africana”, Unidade 283 - Centro Investigação em Antropologia e Saúde, - Julho de 2010 a Dezembro de 2010.

Recenseador nos censos 2011 – Na Junta de Freguesia da Damaia – Março a Abril de 2011.

Coordenador do Projecto Pequenas Bibliotecas Publicas - (Fundação Calouste Gulkbenkian).

Colabora com Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra no Projecto “Alice” - Colóquio Internacional Epistemologias do Sul, desde 2014. 

 

Flávio Almada

Flávio Almada, nasceu em São Domingos, Santiago, Cabo Verde, em 1982. É licenciado em Tradução e Escrita Criativa pela Escola de Comunicação, Arquitectura, Artes e Tecnologias da Informação (Lisboa) em 2013 e mestrando em Estudos Urbanos na FCSH/ISCTE. Há catorze anos que reside em Portugal e durante esses anos trabalhou em projetos ligados ao Desenvolvimento artístico e cultural, Cidadania e Educação Cultural, Economia solidária, Inclusão Digital, Coesão e Inclusão através da Arte, Desenvolvimento Comunitário em várias localidades da Área Metropolitana de Lisboa. É Mc’s (Rapper), ativista político e Membro da Direção  e colaborador da Associação Cultural Moinho da Juventude. 

 

(Re) educar através do RAP: Reacção Através da Poesia

 

Objectivo

Despertar o interesse para a escrita, utilizar o RAP como uma expressão da realidade quotidiana vivida por este grupo de adolescentes, que grande parte das vezes não é discutida na sala de aula.

Meta

Articular o ensino formal com o informal.

Método

Trabalhar os conceitos através de jogos de palavras.

Esboço do projecto

 

Tema: Descrição da realidade através da palavra

Formadores: Flávio Almada, Jakilson Pereira

Público-alvo: 12 - 15 anos

Espaço: Associação Cultural Moinho da Juventude

8 de Outubro

15.00 - 16.00

 

Tema: Poesia de periferia?

Formador: Flávio Almada

Público-alvo: 12 - 15 anos

Espaço: Escola Intercultural das Profissões e do Desporto (Reboleira)

3 de Novembro

15:00 - 16.00

 

Tema: RAPortagem: da escrita na primeira pessoa à escrita descritiva na terceira pessoa

Formador: Jakilson Pereira

Público-alvo: 12 - 15 anos

Espaço: Casa Amarela, Almada

5 de Dezembro

15:00 -16:00

 

Acompanhamento de conferências e debates - Vídeo

 

José Fernandes

Nasceu em Coimbra em 1986. Terminou o curso profissional de fotografia em 2012, no Instituto Português de Fotografia de Lisboa. Nesse mesmo ano estagiou no jornal Público e Jornal i. Até 2015 ficou a colaborar com o Jornal i. De momento encontra-se a trabalhar como fotógrafo freelancer na qual tem colaborado com a agência 4See.

 

Comunicação:
muralsonoro.info@gmail.com

 

 

Comment