108ª Recolha de Entrevista

Quota MS_00091

Rights reserved - Free access

Europeana Sounds

BI: Rui Veloso é um dos mais referenciados músicos e compositores portugueses.
Nasceu na cidade de Lisboa, mas mudou-se com poucos meses para o Porto, onde fez grande parte da sua vida até ao início da vida adulta.
Começou a tocar guitarra na adolescência, no ano de 1979 gravaria uma maqueta que incluía temas em português e em inglês,  que chega à editora Valentim de Carvalho pelas mãos da sua mãe. Na editora os temas em português fixam a atenção o que motivou a contratação do músico.

Nesta recolha de entrevista longa, da qual se disponibiliza uma boa parte neste acervo online, Rui Veloso reflecte sobre as condições para a prática da música em Portugal na segunda metade dos anos 70 e nos anos de 1980 e 1990 sobretudo, as limitações que ofereciam os estúdios de gravação, sob o ponto de vista tecnológico e dos recursos técnicos humanos, o modo como começa por fazer as suas gravações, os instrumentos que foi adquirindo até ter o seu estúdio (onde congrega uma panóplia de instrumentos de quase todas as categorias: de cordofones oriundos de vários espaços geográficos a instrumentos variados de percussão portugueses ou de outros pontos da Europa (o caso dos teclados) e africanos sobretudo: membranofones e idiofones) a forma como experienciou a evolução da era analógica para a digital e o papel do computador, mencionando que trabalhar «na mesa» será para si sempre  mais interessante e prático do que «na ditadura do pro tools», explica ainda o modo como se foi envolvendo com diferentes aspectos que pautam a prática da música em Portugal e a música que tem feito em particular, como sejam a sua relação com outros músicos de domínios musicais e origens diversas, a sua  parceria musical com Carlos Tê, de que forma o papel que tipologias musicais como o «blues» e a história social e política que a prática assumiu num tempo vital foram tão importantes no seu percurso, referindo algumas referências de músicos americanos neste domínio, a sua incursão no universo do «fado-canção», etc.

Do seu legado fonográfico fazem parte, entre albúns de estúdio, gravações ao vivo e compilações, até à data em que esta recolha foi realizada, entre outros:
Álbuns de Estúdio
1980 - Ar de Rock
1982 - Fora de Moda
1983 - Guardador de Margens
1986 - Rui Veloso
1990 - Mingos & Os Samurais
1991 - Auto da Pimenta
1995 - Lado Lunar
1998 - Avenidas
2005 - A Espuma das Canções
2012 - Rui Veloso e amigos
Ao vivo
1988 - Rui Veloso Ao Vivo
2003 - O Concerto Acústico
2009 - Rui Veloso ao Vivo no Pavilhão Atlântico (CD+DVD)
Compilações
2000 - O Melhor de Rui Veloso - 20 anos depois

© 2015 Rui Veloso à conversa com Soraia Simões, Perspectivas e Reflexões no Campo
Pesquisa, Som (paisagem sonora incluída), Edição, Texto: Soraia Simões
Fotografias: Alexandre Nobre
Recolha realizada em Junho em casa do músico