*Reflexões sobre "arte", "cultura" e "entretenimento"

 

A cultura é o legado histórico- emotivo - social de um povo; a arte é a reinvenção da cultura e o entretenimento é o onde a arte é devolvida à cultura e onde esta pode ser estímulo à reinvenção da mesma. Apesar de serem três conceitos que existem isoladamente e cada um com uma definição muito própria, todos eles estão interligados. Não existe arte que não esteja integrada em determinada cultura, ainda que possa estar integrada numa miscigenação de culturas. 

A cultura é o código genético, a matéria prima para o desenvolvimento da criatividade individual. A cultura é a linguagem, os códigos a serem manipulados por um artista. Ainda que o propósito seja desconstruir esses códigos, é necessário uma apropriação dos mesmos, o seu domínio. Não há arte sem cultura, a arte é o auge da criatividade cultural e onde a cultura se pode reinventar. Partindo deste princípio, o entretenimento é o instrumento fundamental para que a arte influencie a cultura. A cultura não é algo estático, é um conceito vivo e em constante mutação. Se a arte é de alguma forma a reinvenção da cultura, quando esta acontece em forma de entretenimento, ela é devolvida ao sujeito aculturado, influenciando-o. Estes três conceitos mantêm uma relação sistémica e simbiótica. A arte não existe sem cultura, a cultura não se renova sem arte e a arte não se materializa se não for dirigida para um público. Um público que é ao mesmo tempo autor e fruto dessa mesma cultura. 

*Susana Travassos é música, autora, compositora e psicóloga formada pelo ISPA.

Membro da Associação Mural Sonoro e registada para o Arquivo e Documentação Mural Sonoro acerca do seu trabalho como intérprete entre Portugal e o Brasil

Fotografia: arquivo fotográfico Mural Sonoro (durante recolhas no ano de 2013 na Escola/Academia de Música de Ançã, distrito de Coimbra)

Comment