72ª Recolha de Entrevista

 

Only with permission

Rights reserved - Free access

Quota MS_00035 Europeana Sounds

BI: Luanda Cozetti de Freitas, conhecida por Luanda Cozetti, é uma intérprete brasileira residente em Portugal.
Filha de Wanda Cozetti Marinho e de Alípio de Freitas, começa por reflectir nesta recolha, de que se disponibiliza online uma parte, em que medida a vivência dos pais (exilados políticos. O pai especialmente: preso politico no Brasil e que inspirou uma canção de José Afonso) influenciaram o seu percurso como indivíduo e intérprete, expressa ainda o significado da sua estadia em África, acompanhando a mãe no exílio no período entre os 9 e os 15 anos, e o papel estruturante assumido no periodo em que viveu em Brasília especialmente pelos corais onde cantou, os Bares onde actuou ou as participações com outras vozes e outros músicos com que se envolveu, atenta ainda sobre o seu apreço pelas palavras nas canções e na importância primeira que lhes atribui durante a escolha do seu repertório, mas também acerca do gosto que nutre pelo baixo acústico e da relação cumplice deste instrumento com a voz e sobre a importância de algumas das bandas/trilhas sonoras em que colaborou (a intérprete gravou, entre outros, músicas para a banda sonora da versão SBT da novela “Escrava Isaura” e para a série “Jamais te Esquecerei”).

Desde 1986, altura em que começou a cantar em casas nocturnas de Brasília, até à data em que esta recolha é efectuada Luanda esteve envolvida em diversas colaborações com músicos e compositores distintos e nesta conversa destaca projectos como o grupo vocal ‘Bico de Veludo’, ‘Projeto Sarau’, ‘Projeto Exião do Lazer’, entre outros.
Participou no CD “Sol” de Flávio Fonseca, no fonograma “Esperanto Internacional”, no CD “3ª ASA” de Manduka, na colectânea “Prá pirá Brasília” e no CD “Diversos” de Carlos Zimbher, mas só em 2001 gravou o seu primeiro fonograma a solo, e fala dele igualmente.
Formou o grupo Couple Coffee com o baixista Norton Daiello e é na sua chegada a Portugal que gravam o fonograma “Puro”, datado de 2005. Segue-se, com este grupo e em 2007, a publicação do fonograma “Tamanquinhas do Zeca”, dedicado a José Afonso e no ano 2008 “Young And Lovely”, uma homenagem aos 50 anos da ‘bossa nova’.

Em 2007 participou no fonograma “1970″, de JP Simões, e em 2009 com Sir Scratch no tema “Quanto Menos Esperas” da banda sonora do filme “Esperança está onde menos se espera” de Joaquim Leitão. Integrou também o projecto “Rua da Saudade”, uma homenagem ao poeta José Carlos Ary dos Santos, com as cantoras Viviane, Mafalda Arnauth e Susana Félix e que era, como conta na recolha, ‘um sonho antigo de Renato Junior’ (produtor do projecto).

Das, já mencionadas, múltiplas colaborações que atravessam o seu percurso na música são ainda de realçar até ao momento em que esta conversa aconteceu: a sua interpretação vocal no fonograma “Batacotô 3″ no ano de 2002 e colaborações nos “Projeto Prêt-a-porter – Coleção Outono inverno da MPB”, do poeta Sergio Natureza e Dakar Produções, e no CD relativo ao “Projeto Novo Canto”.

© 2013 Luanda Cozetti à conversa com Soraia Simões, Perspectivas e Reflexões no Campo
Recolha efectuada em Lisboa, na casa de Luanda

Som, Pesquisa, Texto, Fotografia: Soraia Simões

Comment